Project

General

Profile

Overview

Atualmente, existem duas áreas de pesquisa em redes de computadores que vêem concentrando o interesse de grande parte da comunidade de pesquisa acadêmica e industrial: redes cognitivas [1] e comunicações oportunistas [2]. Rádios cognitivos foram idealizados para conduzir a próxima geração de comunicações digitais. Além disso, a comunicação oportunista tem sido referenciada como a mais adequada e algumas vezes, a única possibilidade de comunicação em redes sociais onde caminhos estáticos (conexões de redes atuais) talvez nunca existam entre dois nós da rede. Nesse caso, esse tipo de comunicação propõe utilizar qualquer informação disponível nos nós da rede (tais como: conectividade, variação de vizinhança, estabilidade dos nós, e disponibilidade do espectro) que possa permitir o roteamento, i.e., a inferência de uma possível rota até o nó destino. O roteamento em redes sem fio tem sido uma ativa área de pesquisa [3, 4, 5]. O objetivo primário nestas redes é proporcionar roteamento de forma escalável, mesmo considerando a existência de nós móveis, permitindo a comunicação fim a fim. Aplicações comerciais de redes em malha sem fio [6] têm surgido nos últimos tempos, sendo as redes sem fio comunitárias (community wireless networks) um exemplo deste tipo de aplicação. Portanto, o objetivo principal dos protocolos propostos para este tipo de rede é melhorar a capacidade da rede ou o desempenho das transferências individuais através da otimização de recursos, ao invés de focar em mobilidade ou minimizar o consumo de energia. Um dos maiores problemas neste tipo de rede, porém, é a redução da capacidade total devido à interferência entre múltiplas transmissões simultâneas. Provendo os nós com rádios cognitivos é possível alcançar uma melhoria na capacidade total da rede. A rede pode utilizar melhor o espectro de rádio, minimizando as interferências e permitindo assim transmissões em paralelo através de canais diferentes. Além disso, como rádios cognitivos permitem operar em diferentes bandas de freqüência (por exemplo, 802.11a em 5Ghz e 802.11b/g em 2.4Ghz) com diferentes larguras de banda, alcances e características de desvanecimento (fading), isso resulta em uma maior robustez a rede.